19 abr 2017

Como lidar com o ciúmes entre irmãos

Psicologia Infantil • postado em 19/04/17

A chegada de um bebê sempre afeta o irmão mais velho, que até aquele momento era o filho único e em muitos casos era também o único neto e sobrinho.  Quando os pais descobrem a gravidez é muito comum que conversas, presentes e mudanças girem em torno da chegada do bebê e com isso o irmão mais velho percebe que irá dividir o que era só seu com o bebê que está para chegar.

Por estarem em uma fase do desenvolvimento onde ainda não possuem a capacidade e maturidade de processar suas emoções, toda essa mudança pode deixar o irmão mais velho inseguro e com ciúmes. Algumas crianças começam a acreditar que os pais não a amam mais, não a querem ou ainda que vão abandoná-las com a chegada do bebê.

Ao perceber que tudo está girando em torno da chegada do bebê, a criança tem a sensação de estar sendo excluída, o que é algo muito doloroso. Com isso surgem sentimentos agressivos, hostis e a criança passa a ter comportamentos de birra e/ou comportamentos de fases anteriores, como voltar a fazer xixi ou cocô nas calças, pedir a chupeta ou mamadeira ou ir durante a noite para cama dos pais.

Vamos pensar na quantidade de mudanças que estão surgindo e que com o nascimento do bebê irão aumentar de maneira considerável, desta forma o sentir ciúmes é algo normal e cabe aos pais ajudar o filho a lidar com esse sentimento que faz parte desse momento. Brigar com o filho não vai fazer com que ele entenda e aceite todas essas mudanças sem sofrimento, nesse momento cabe aos pais muita paciência e compreensão. Além disso algumas mudanças de atitudes e um olhar diferenciado para o sofrimento do filho podem ajudar.

Assim que os pais descobrirem a gravidez, independentemente da idade da criança é importante que contem que ela irá daqui a um tempo ter um irmãozinho ou irmãzinha. Falem de uma maneira simples que ela entenda. Podem usar histórias e/ou filmes com esse tema.

Explique que quando o bebê chegar não irá brincar com ele, pois é muito pequeno, que nesse momento só irá mamar, dormir e chorar quando quiser pedir algo já que não sabe falar. Introduza-o na história, conte algumas coisas de quando era recém-nascido e mostre fotos.

Conforme a barriga for crescendo explique que o bebê está ali dentro e está crescendo também, lembre-o que ele também já esteve dentro da barriga da mamãe. Convide-o a conversar com irmão, caso ele não queira, não force a situação.

Antes de ir para a maternidade comece a falar que terá que ficar alguns dias no hospital para o bebê nascer, explique com quem ele irá ficar e como será a rotina dele nesses dias. Caso seja possível visitas na maternidade peça para alguém levá-lo, caso não seja possível é importante que falem ao telefone nesses dias.

Não presenteie o seu filho dizendo que quem comprou o presente foi o bebê, ele saberá que é mentira, pois bebês não saem para fazer compras. O que os pais podem fazer é dizer que compraram um presente para o irmão mais novo dar ao irmão mais velho e outro para o irmão mais velho para dar o mais novo.

Em casa será onde a criança sentirá as maiores mudanças, cabe aos pais acharem momentos de estar só com o filho mais velho e em outros momentos proporcionar momentos com os dois juntos. É muito comum com o nascimento do bebê a mãe ficar com este, deixando o filho mais velho aos cuidados do pai ou de outro cuidador, essa separação para a criança é muito ruim, pois sente-se excluído, gerando assim sentimentos de raiva e comportamentos de disputa com o irmão mais novo.

Em alguns momentos é possível solicitar ajuda para o irmão mais velho, como por exemplo, pedir para pegar uma fralda ou pomada, caso a criança não aceite, não ínsita. Caso aceite, não faça isso sempre, apenas em alguns momentos, assim a criança além de participar do cuidado vai se sentir fazendo parte daquele momento.

Sempre que possível evidencie o bom comportamento dele e as conquistas que vem vivenciando com o crescimento, como por exemplo: conseguir dormir sozinho; não usar mais chupeta, mamadeira e/ou fralda; ler e escrever; andar de bicicleta e/ou skate; tomar banho sozinho.  Quando ele tiver um comportamento de birra converse com ele, dizendo que entende que ele está bravo com todas essas mudanças, mas que o comportamento de birra não vai mudar o que ele está sentindo, mas que podem tentar solucionar de outra maneira, ensine ele a lidar com o que está sentindo.

Não diga que ele não pode sentir ciúmes, pois esse sentimento é normal e esperado nessa situação, diga que ele pode sentir ciúmes sim, mas não pode bater, beliscar, morder ou fazer algum mal ao bebê. Se coloque no lugar do filho mais velho e diga que sabe o quanto é ruim ter que escutar o choro do bebê, ou que sabe que ele queria que você estivesse menos ocupada, essas conversas permitem que o irmão mais velho fale sobre o que está sentindo e ainda proporcionam a sensação de que são compreendidos.

Sentir ciúmes nesse momento é algo normal e esperado, porém se as crises de ciúme, birra e comportamento regredido não diminuem com a ajuda dos pais, ou quando a criança não demonstra nenhum ciúme, agressividade ou rivalidade deve-se ter um olhar atento, pois em ambos os casos se faz necessário buscar orientação de um psicólogo.

Katia Moreschi
Por Katia Moreschi Realiza em seu consultório atendimento de crianças, adolescentes e adultos. Realização de psicodiagnóstico e orientações de pais. Também trabalha como Psicóloga em Educação Infantil.  Katia Cilene Moreschi CRP 06/58144-3. Contato pelo telefone (13) 3223-2051 e (13) 99116 4386.
• Compartilhe! •

• Leia Também •

• Deixe um Comentário •

Posts mais visualizados

Nenhum post corresponde aos seus critérios de pesquisa.

Instagram

Pinterest

Receba os posts por email